A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR (RCP) EM LEIGOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Resumo

A realização imediata da ressuscitação cardiopulmonar (RCP) em vítimas de parada cardiorrespiratória (PCR) é primordial para sua sobrevivência. No entanto, podemos perceber que a prevalência de ressuscitação cardiopulmonar em leigos é consideravelmente inferior no mundo, pois eles encontram dificuldades para realizar este procedimento. Sendo essencial o reconhecimento dos primeiros sinais e sintomas de uma PCR para iniciar precocemente os procedimentos da cadeia de sobrevivência, pois se entende que cada segundo conta em uma emergência. Assim, busca-se identificar o conhecimento dos leigos sobre RCP, através da leitura disponível em bases de dados. O presente estudo trata-se de uma pesquisa bibliográfica do tipo revisão integrativa da literatura, foi utilizado descritores indexados e não indexados nos idiomas inglês e português nas bases de dados: PubMed da National Library of Medicine e Biblioteca Virtual em Saúde. Foram selecionadas oito publicações com um maior referencial teórico de estudos publicados nos anos de 2015 a 2019. Verificou-se que o maior número de parada cardíaca ocorreu em bairros de menor poder aquisitivo, quando comparados aos bairros com maior status socioeconômico, isso está ligado a barreiras que dificultam na aprendizagem de RCP como: falta de motivação por parte desse público alvo, acessibilidade de linguagem e material que facilite a compreensão para agir quando necessário. Portanto, é imprescindível à criação de um programa de RCP que atenda esses diferentes públicos e, também, que se faça a simplificação das manobras de compressões torácicas de alta qualidade em capacitações e treinamentos de RCP para leigos, assim, tornando-os disseminadores de conhecimentos.
Publicado
2021-06-25
Como Citar
PEREIRA, Layrla Fernandes et al. A IMPORTÂNCIA DO TREINAMENTO DE RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR (RCP) EM LEIGOS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. REVISTA UNINGÁ, [S.l.], v. 58, p. eUJ3224, jun. 2021. ISSN 2318-0579. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/3224>. Acesso em: 28 set. 2021.
Seção
Artigos