ESOFAGITE E HÉRNIA DE HIATO:CORRELAÇÃO ENTRE SEUS VARIADOS GRAUS

  • Matheus Takashi Garcia
  • Vanessa Fernanda Frederico Munoz

Resumo

Aesofagite é uma condição encontrada em uma grande populaçãocom doença do refluxo gastroesofágico, podendo ser erosiva ou nãoerosiva. A esofagite erosiva de refluxo é definida endoscopicamentecomo presença de erosões visíveis na mucosa distal do esôfago. Esteestudo tem por finalidade verificar a relação entre os variadosgraus de esofagite e o tamanho da hérnia hiatal, assim como ob-servar se há uma relação direta ou não do tamanho da hérniahiatal com o grau de esofagite dos pacientes estudados. Foramutilizados os dados de exames de endoscopias digestivas altas doperíodo de janeiro à julho de 2011 do Serviço de Endoscopia Di-gestiva do Hospital Regional João de Freitas, sendo incluídos notrabalho os pacientes com achados endoscópicos de esofagites comou sem hérnia hiatal, totalizando 478 pacientes. Foram excluídosdo trabalho os pacientes sem esofagite, aqueles com esofagite eosi-nofílica, pois configura uma outra entidade patológica e não seenquadra nasesofagites por refluxo e todos os pacientes comqualquer sinais de manipulação cirúrgica de esôfago e estômago.Os dados endoscópicos foram divididos entre os graus de esofagiteda Classificação de Los Angeles e relacionados com o tamanho dahérnia hiatalou com a ausência de tal condição. Observou-se apresença de hérnia de hiato em 46,23% dos pacientes com esofagi-te. A probabilidade de hérnia de hiato pequena e esofagite foi de41,63%, a probabilidade de hérnia de hiato média e esofagite foi de3,56% e aprobabilidade de hérnia de hiato grande e esofagite foide 1,05%. Discussão: na análise estatística utilizando o teste do quiquadradoα=5%, observou-se que Fo=Fe, isto é, não existe dife-rença significativa entre os graus de esofagite e o tamanho da hér-nia de hiato. Existe relação entre hérnia de hiato e esofagite, evidenciada pela relação de 46,23% entre as duas condições. A mais importante foi entre esofagite grau A e hérnia de hiato pequena,com 41,63%. Isso mostra a importância desse tema, o qual deveserobjeto de mais estudos para o progresso dos tratamentos médicosenvolvendo essas duas condições.
Publicado
2013-09-10
Como Citar
TAKASHI GARCIA, Matheus; FREDERICO MUNOZ, Vanessa Fernanda. ESOFAGITE E HÉRNIA DE HIATO:CORRELAÇÃO ENTRE SEUS VARIADOS GRAUS. REVISTA UNINGÁ REVIEW, [S.l.], v. 15, n. 2, p. 2, set. 2013. ISSN 2178-2571. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/754>. Acesso em: 30 nov. 2021.