LACERAÇÃO TOTAL DE TENDÃO EXTENSOR DIGITAL LONGO: RELATO DE CASO

  • GUILHERME YURI DOS SANTOS
  • JOÃO VICTOR BRISOLA MASSANARES
  • MONIQUE RUSH ROSSATO
  • GEOVANA ALVES DOS SANTOS
  • GUSTAVO ROMERO GONÇALVES
  • POLYANA CAROLINA MARINO

Resumo

Foi atendido um equino, macho, 3 meses de idade, pesando 128 kg, da raça Quarto de Milha, apresentando uma ferida lacerada em terço médio proximal de membro pélvico direito há 7 dias. Ao exame clínico, os parâmetros vitais estavam dentro dos padrões de normalidade e ao exame específico do sistema locomotor observou-se claudicação com impotência funcional do membro, e elevação de pinça. Durante a palpação do casco, notou um aumento de temperatura, e uma ferida lacerada de 360º, medindo aproximadamente 30 cm, com envolvimento e ruptura total do tendão extensor digital longo, apresentando exsudato purulento, bordos irregulares com necrose tecidual e exposição óssea. O animal foi sedado com detomidina (0,01mg/kg, endovenosa), após isso, submetido a anestesia geral (quetamina 2 mg/kg, endovenosa) em decúbito lateral esquerdo para o debridamento cirúrgico. A ferida foi higienizada com água corrente e clorexidine degermante a 2%, em seguida, realizou-se o debridamento hidrodinâmico com 500 ml de solução de cloreto de sódio a 0,9% para a retirada de debris celulares. Após a higienização, realizou-se uma bandagem de Robert Jones e imobilização do membro com tala de PVC na face plantar do membro que se estendia da região társica até o bulbo do talão. Instituiu-se a profilaxia antitetânica (5.000 UI, intramuscular), antibioticoterapia (Penicilina Benzatina, 20.000 UI/Kg, intramuscular) por 3 dias e (Flunixina Meglumina, 1,1 mg/kg, intramuscular) durante 5 dias. A bandagem era trocada a cada 48 horas e no vigésimo dia durante a higienização da ferida, retirou-se um sequestro ósseo de periósteo medindo aproximadamente 8 cm de comprimento. A tala foi retirada após 30 dias. Foi realizada uma radiografia do membro na qual constatou-se uma fratura de segundo metatarsiano. Após 60 dias, foi constatada uma melhora clínica de 70%, com tecido de granulação em fase final de cicatrização, sem exposição óssea. O mesmo continua em tratamento e segundo o veterinário responsável há uma melhora clínica constante.
 
Publicado
2019-09-24
Como Citar
SANTOS, GUILHERME YURI DOS et al. LACERAÇÃO TOTAL DE TENDÃO EXTENSOR DIGITAL LONGO: RELATO DE CASO. REVISTA UNINGÁ REVIEW, [S.l.], v. 34, n. S1, p. 35, set. 2019. ISSN 2178-2571. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/3098>. Acesso em: 20 out. 2019.