HIPOVITAMINOSE D NA POPULAÇÃO GERIÁTRICA

  • CASSIO FIGUEIREDO SENA
  • GIULIANI RODRIGUES VIEIRA
  • MILENA MARA OLIVEIRA SILVA MATEUS
  • AMÁLIA VERÔNICA MENDES DA SILVA
  • ANA AMÉLIA PAOLUCCI ALMEIDA

Resumo

Este trabalho teve como objetivo identificar através de umarevisão integrativa da literatura a influência da hipovitaminosena população geriátrica. A deficiência de vitaminaD está cada vez mais relevante na atualidade, em função devários fatores: menor tempo de exposição aos raios UV,hábitos alimentares inadequados para a ingestão de alimentoscontendo vitamina D, longevidade dos indivíduos,dificultando a síntese de vitamina D através da pele, uso dedrogas que interferem no metabolismo da 25(OH)D. Usandocomo descritores as palavras chave, “Vitamina D” “Hipovitaminose,”“hypovitaminosis Vitamin D PopulationGeriatrics”, “vitamina D hipovitaminose população geriátrica”,“tratamento hipovitaminose D” nas bases de dadosPubMed, Lilacs, Scielo, MediLine, foram selecionados 11trabalhos publicados no período de 2006 a 2015. As disfunçõesmetabólicas causadas por tal deficiência irão ocasionarmuitas patologias, não só nos idosos, mas com menorfrequência nos jovens. O hiperparatireoidismo secundárioé um dos principais responsáveis pela menor mineralizaçãoóssea, tendo como causa considerável a deficiência de vitaminaD, dessa forma aumentando a chance de quedas efraturas na população de risco, gerando consequênciasmais graves nos idosos. Portanto, em relação à deficiênciade vitamina D, é indicada a exposição solar juntamentecom a suplementação medicamentosa com colecalciferol(vitamina D3) e o enriquecimento alimentar, direcionados àpopulação de risco, buscando melhorar sua qualidade devida.
Publicado
2016-07-11
Como Citar
SENA, CASSIO FIGUEIREDO et al. HIPOVITAMINOSE D NA POPULAÇÃO GERIÁTRICA. REVISTA UNINGÁ REVIEW, [S.l.], v. 27, n. 1, jul. 2016. ISSN 2178-2571. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1810>. Acesso em: 30 nov. 2021.