A COMPULSÃO À REPETIÇÃO SEGUNDO A TEORIA PSICANALÍTICA

  • TEREZA CRISTINA CAMILO
  • ANDRÉ LUIS SCAPIN

Resumo

Nomeada por Jacques Lacan como um dos quatro conceitosfundamentais da psicanálise, a repetição foi uma grandedescoberta de Freud e estudada anos mais tarde por diversosautores. Em sua prática clínica, Freud tinha como objetivofazer com que os pacientes relembrassem lembrançastraumáticas inconscientes para que assim pudessem sedesvencilhar de seus sintomas. Logo de início, porém,Freud se deparou com uma força que impedia que opaciente recordasse tais eventos: a resistência, assim que namaioria das vezes o indivíduo não recordava, mas, sim,repetia suas inibições, fracassos e escolhas numa tendênciaà compulsão, causando-lhe sofrimento e angústia. O estudo,ora aqui resumido, se propõe a investigar o conceito darepetição diferencial e repetição do mesmo, bem como suasimplicações na vida do indivíduo que serão exemplificadasnos dois casos clínicos discutidos no decorrer deste artigo.Através de uma pesquisa bibliográfica a respeito do tema,foi possível compreender que a compulsão à repetição se dápela busca do aparelho psíquico em elaboraracontecimentos traumáticos antes nunca representados.Pode-se, no entanto, verificar outro tipo de repetição quenão assume um caráter compulsivo: a repetição diferencial,esta que servirá de instrumento para que o analista possaaliviar os sintomas de pacientes que estão em sofrimento.
Publicado
2018-01-19
Como Citar
CAMILO, TEREZA CRISTINA; SCAPIN, ANDRÉ LUIS. A COMPULSÃO À REPETIÇÃO SEGUNDO A TEORIA PSICANALÍTICA. REVISTA UNINGÁ REVIEW, [S.l.], v. 24, n. 3, jan. 2018. ISSN 2178-2571. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uningareviews/article/view/1719>. Acesso em: 25 ago. 2019.