ANÁLISE DA ENXAQUECA E OUTRAS SÍNDROMES DE ALGIAS CEFÁLICAS EM ADULTOS 40 A 69 ANOS NO BRASIL POR REGIÃO/UNIDADE DA FEDERAÇÃO, NO PERÍODO DE AGOSTO DE 2016 A AGOSTO DE 2020

  • Giovana Parra Pelisari UNINGÁ - Centro Universitário Ingá
  • Gabriel Henrique Azeredo UNINGÁ - Centro Universitário Ingá
  • Mariana Domingos Gonçales UNINGÁ - Centro Universitário Ingá
  • Cláudia Cristina Batista Evangelista Coimbra UNINGÁ - Centro Universitário Ingá
  • Gustavo Bacelar Peraro UNINGÁ - Centro Universitário Ingá

Resumo

A enxaqueca ou migrânea, é familiarmente conhecida como dor de cabeça, e esta é a forma mais comum da queixa da maioria da população. A enxaqueca é uma crise de cefaleia moderada a intensa, que geralmente apresenta uma forma latejante, unilateral, e comumente acompanhada de náuseas, vômitos, de uma irresistência à luz, ruído e cheiros. A enxaqueca é um estado de cefaléia crônica primária. Pode ser determinada como uma resposta neurovascular normal que ocorre em organismos suscetíveis. Clinicamente, pode se manifestar por dores de cabeça repetidas e relacionadas a um gatilho. Nessa continuidade, o estudo tem por finalidade analisar o número de óbitos e taxa de mortalidade decorrente de enxaquecas e outras síndromes de algias cefálicas, contrapondo as faixas etárias entre 40 a 69 anos, em ambos os sexos, no intervalo de Agosto de 2016 a Agosto de 2020, dentre as Regiões/Unidades da Federação. Para isso, adotou-se um estudo epidemiológico analítico, sendo os dados retirados do DATASUS, dando importância ao sexo, faixa etária, óbito e taxa de mortalidade. No intervalo em foco, verificou-se 198 óbitos, sendo um total de 88 óbitos masculinos e 110 óbitos femininos, tendo ambos os sexos maior incidência na Região Nordeste. Na faixa etária descrita entre 40-49 anos apresentou em ambos os sexos os maiores casos de óbitos novamente na Região Nordeste, porém, o maior caso de óbitos foi o sexo feminino, contabilizando 19 mortes nessa região. A faixa etária de 50-59 anos novamente apresentou o maior caso de óbitos na Região Nordeste, contando com um total de 29 óbitos, contemplando os dois sexos analisados. Na última faixa etária analisada, 50-59, teve novamente o maior número de óbitos a Região Nordeste. Especificamente na cidade de Pernambuco, em ambos os sexos estudados, encontrou-se o maior número de óbitos, porém, a maior prevalência da taxa de mortalidade, incluindo todas as faixas etárias e ambos os sexos pesquisados, foi encontrada no Amazonas. Assim, conclui-se, que a Região Nordeste apresenta os maiores números de óbitos, sendo o sexo feminino o mais acometido, tendo um decréscimo da faixa etária 40-49 anos para 50-59, porém, houve um acréscimo para a faixa etária de 60-69 anos. Pelo fato de não ter ainda exames específicos para confirmação da doença, o seu diagnóstico não é rápido, porém há muitos tratamentos eficazes, sendo esse adaptado a cada caso. Para tanto, imperfeições na realização de providências necessitam ser corrigidas, fazendo-se essencial a pesquisa de novos métodos para identificar mais rapidamente e de forma certeira a enxaqueca.
Publicado
2021-01-22
Como Citar
PELISARI, Giovana Parra et al. ANÁLISE DA ENXAQUECA E OUTRAS SÍNDROMES DE ALGIAS CEFÁLICAS EM ADULTOS 40 A 69 ANOS NO BRASIL POR REGIÃO/UNIDADE DA FEDERAÇÃO, NO PERÍODO DE AGOSTO DE 2016 A AGOSTO DE 2020. REVISTA UNINGÁ, [S.l.], v. 57, n. S1, p. 001-002, jan. 2021. ISSN 2318-0579. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/3861>. Acesso em: 03 mar. 2021.
Seção
Anais do 1º Congresso Interligas de Medicina UNINGÁ