PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

  • Joyce Lopes Macedo UNIFACEMA
  • Amanda Suellenn da Silva Santos Oliveira
  • Irislene Costa Pereira
  • Magnólia de Jesus Sousa Magalhães Assunção

Resumo

Objetivo: Verificar a epidemiologia da hipertensão arterial na região Nordeste do Brasil. Metodologia: Estudo epidemiológico descritivo e retrospectivo de abordagem quantitativa. Foram utilizados dados secundários por meio do Sistema de Cadastramento e Acompanhamento de Hipertensos e Diabéticos (HIPERDIA), disponibilizados pelo DATASUS. Resultados: Analisou-se a epidemiologia da hipertensão arterial na região Nordeste do Brasil no ano de 2012. Neste período, registrou-se o total de 107.980 casos. O estado da Bahia apresentou a maior quantidade de casos, correspondendo a 34,70% (n=37.485), e o menor número no estado de Sergipe 2,45% (n=2.590). Com relação à faixa etária, a hipertensão apresentou maior prevalência na faixa etária de ≥60 anos com 48,30% (n=52.159). Quanto à distribuição por sexo, observou-se, que o maior percentual foi no sexo feminino com 65,80% (n=71.029). Observou-se ainda o percentual de tabagismo correspondente a 15,30% (n=16.527). Em relação ao sedentarismo houve um percentual de 42,50% (n=45.898). Ao verificar sobrepeso encontrou-se a prevalência de 32,10% (n=34.685). Em relação a outras complicações observou-se o percentual de infarto agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral e doença renal onde os mesmos foram 2,70% (n=2.873), 4,35% (n=4.688) e 2,05% (n=2.213) respectivamente.
Publicado
2019-11-22
Como Citar
MACEDO, Joyce Lopes et al. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL NA REGIÃO NORDESTE DO BRASIL. REVISTA UNINGÁ, [S.l.], v. 56, n. 4, p. 156-163, nov. 2019. ISSN 2318-0579. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/2675>. Acesso em: 08 dez. 2019.
Seção
Artigos