ANÁLISE PARASITOLÓGICA DE AMOSTRAS DE ALFACE (LACTUCA SATIVA) COMERCIALIZADAS EM PATOS-PB

  • Denildo Araújo Carvalho
  • Marthana de Maria Araújo Miranda
  • Marcus Antonio Bezerra da Silva
  • Heloisa Mara Batista Fernandes de Oliveira
  • Abrahão Alves de Oliveira Filho Universidade Federal de Campina Grande

Resumo

Objetivo: Avaliar quantitativamente a presença de enteroparasitas humanos em alfaces (Lactuca sativa) comercializados no município de Patos no estado da Paraíba. Métodos: Para a realização da pesquisa, foram selecionadas e analisadas aleatoriamente 50 amostras de alfaces frescas. Destas, 25 foram obtidas nas feiras livres e 25 nos supermercados locais em diferentes regiões da cidade paraibana. O material foi encaminhado ao Laboratório de Microscopia da Universidade Federal de Campina Grande para o processamento e a análise. As alfaces (L. sativa) foram homogeneizadas com água destilada e submetidas à sedimentação por 24 horas. O sedimento foi examinado sob microscopia de luz. Resultados: Das 50 amostras processadas, 36 delas (72%) continham parasitas intestinais. Destas, foram encontradas contaminações, tanto nas amostras obtidas em feiras livres, como nas obtidas em supermercados, como cistos de Entamoeba coli, Giardia lamblia, Endolimax nana, Iodamoeba butschilli e larvas de nematelmintos. Ocorreram prevalência dos cistos de Entamoeba coli (39%) e larvas de nematelmintos (23%). A presença de protozoários foi significativamente maior em comparação aos helmintos. Conclusão: É alto o índice de contaminação das hortaliças estudadas independentemente do local da coleta e, com isso, torna-se necessária a realização de campanhas de saúde pública, na cidade de Patos, para estimular melhoras higiênicas na produção e na comercialização da alface, como também incentivar a higienização correta das alfaces antes do consumo.
Publicado
2019-03-12
Como Citar
ARAÚJO CARVALHO, Denildo et al. ANÁLISE PARASITOLÓGICA DE AMOSTRAS DE ALFACE (LACTUCA SATIVA) COMERCIALIZADAS EM PATOS-PB. REVISTA UNINGÁ, [S.l.], v. 56, n. 1, p. 131-139, mar. 2019. ISSN 2318-0579. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1748>. Acesso em: 27 maio 2019.
Seção
Artigos