DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO DE PENECTOMIA

revisão integrativa

  • Denisy Ferreira da Silva Soares Universidade Federal do Maranhão

Resumo

Câncer é o resultado de um crescimento desordenado de células com a capacidade de invadir tecidos e órgãos espalhando-se para diferentes áreas do corpo. Esse desenvolvimento desenfreado tende a formar células agressivas e incontroláveis determinando assim a formação de tumores malignos. Dentre os diversos tipos de câncer está o câncer de pênis (CP), com níveis de incidência mais elevados em países em desenvolvimento. A descoberta tardia, na maioria dos casos, do diagnóstico de CP contribui para o reconhecimento da patologia quando o tumor encontra-se em estágio avançado, o que leva à penectomia, definida como a retirada parcial ou total do órgão. O estudo teve como objetivo analisar as evidências científicas produzidas na língua portuguesa e espanhola em relação aos diagnósticos de Enfermagem no pós-operatório de penectomia. Trata-se de uma revisão integrativa da literatura acerca dos diagnósticos de enfermagem em pacientes submetidos a penectomia por câncer de pênis, a partir da identificação das evidências científicas publicadas em periódicos nacionais e internacionais, durante o período de 2000 a 2017. Foram identificados 17 estudos, dos quais 15 foram excluídos por não se adequarem aos critérios de inclusão propostos ou não se encontrarem disponíveis para visualização completa. Os principais diagnósticos encontrados no pós-operatório de penectomia foram Dor, Integridade da pele prejudicada, Risco de infecção, Medo, Disfunção sexual, dentre outros. Foi observado que os diagnósticos encontrados permeiam as necessidades psicobiológicas e psicossociais do paciente, e também a necessidade dos profissionais se aprofundarem mais sobre o tema proposto para melhoria da assistência.
Publicado
2019-09-26
Como Citar
SOARES, Denisy Ferreira da Silva. DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM NO PÓS-OPERATÓRIO DE PENECTOMIA. REVISTA UNINGÁ, [S.l.], v. 56, n. S6, p. 179-193, set. 2019. ISSN 2318-0579. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1065>. Acesso em: 20 out. 2019.